Trabalhos acadêmicos

Abril de 2012

Sem hospital para traumas, ABC aposta em ampliação do Mário Covas

 
 
Março de 2012

Casos de dengue caem 77% em Santo André

 
 
30 de setembro de 2011

Costurando uma segunda chance


Maria Paula Vieira
Tamires Camargo

Um projeto de artesanato para um bazar de Natal. Uma ideia, a princípio, sem ambições de continuar. Assim começou o que hoje é a grife Daspre, um dos projetos de sucesso idealizados pela Funap (Fundação de Apoio ao Preso) em 2008, que tem como principais participantes detentas de várias penitenciárias femininas de São Paulo.

O nome do projeto e da grife foi pensado pela diretora-executiva da Funap, Lúcia Casali. “Estava na minha sala com a minha sacola da Daslu em cima da mesa. Então pensei: bem, se existe Daslu, e até Daspu foi inventada, porque não criamos a Daspre, ‘das presas’?”.

Hoje, o Projeto Daspre conta com mais de 70 detentas trabalhando nas cinco oficinas experimentais divididas entre os presídios de Sant’Anna, Butantã e Tremembé. Há também uma oficina experimental situada na sede da Funap, na Vila Buarque, onde algumas detentas do regime semi-aberto, além de confeccionarem roupas e bolsas, produzem também bichinhos de pelúcia e artigos para decoração.

“Costura sempre foi o meu forte. Tive uma oficina antes de ser presa. Quando sair daqui, quero me especializar mais e realizar meu sonho de ser estilista.”, diz Alessandra Macedo Ribeiro, de 26 anos, presa por tráfico de drogas. Alessandra trabalha a dois meses na Daspre.

Apesar da grande aceitação do público, o projeto ainda enfrenta preconceitos. De acordo com a funcionária do Departamento de Comunicação de Relações Institucionais da Daspre, Marjorie Maluf, cerca de 20% dos consumidores não aceitam os produtos confeccionados pelas detentas. “Já aconteceu da Lucia tentar abrir um quiosque da Daspre em um shopping famoso de uma região nobre de São Paulo. Os clientes, mesmo achando os produtos bonitos, não compravam ao saber que eram produzidos por presidiárias.”, conta Marjorie. E justamente para combater esse preconceito, o Projeto Daspre organiza desfiles onde as próprias detentas usam os modelos confeccionados por elas.

A diferença

Ser diferente. Essa é a principal característica que a grife busca integrar na produção de suas peças, sempre muito delicadas e artesanais, além de alegres e estampadas. “Quando uso ou levo para casa, as amigas e os vizinhos veem e pedem. Querem comprar por ser algo que não vende em todo lugar, por ser bonito e diferente. Faz sucesso entre as pessoas.”, afirma Patrícia Silvia, 28 anos, presa há dois anos e vendedora a oito meses da loja Do Lado de Lá, situada ao lado da sede da Funap, pertencente ao Projeto Daspre.

Os materiais, o dinheiro e a loja

Segundo Marjorie Maluf, alguns materiais usados pelo projeto vêm por meio de doações, de pessoas que gostam e apóiam o projeto. O dinheiro ganho com as vendas também é empregado na compra de material, além de dividido entre as detentas como remuneração de seu trabalho. Tudo de acordo com a lei do trabalho prisional, que permite que a cada três dias trabalhados, um dia da pena seja reduzida.

Segundo a administradora da loja Do Lado de Lá Maria Sônia Correia de Paula, 53, o lugar tem maior movimento principalmente em datas comemorativas, como o Dia das Mães e às vésperas do Natal. Porém, com a necessidade de alcançar um maior público, o projeto procura expor seus produtos em bazares e festivais ao longo do ano.

No entanto, Marjorie afirma que o principal objetivo do projeto não é vender. “O nosso intuito não é lucrar. O que nós esperamos é dar uma oportunidade e uma vida digna a essas mulheres. Milhares de pessoas estão presas, e se pudermos salvar uma parte delas, já é lucro.”

O antes, o agora e o futuro

Sem ocupação, sem perspectivas de futuro e muito menos esperança de se integrar no mercado de trabalho após libertas, muitas ex-presidiárias voltavam a cometer crimes. Depois de fundado o Projeto Daspre, essa realidade mudou drasticamente.

Segundo dados da Funap, das mais de 1500 presas que passaram pelo projeto, nenhuma voltou ao crime. “Aqui somos tratadas como funcionárias, não como presas. Pra gente esse aprendizado é maravilhoso, aprendemos muito e assim podemos ter um futuro melhor.”, conta Tamira Aparecida Duarte de Oliveira, 21 anos, detida aos 18 anos por tráfico de drogas.

Atualmente, as detentas que participam do projeto se dizem muito mais felizes. Fazendo cursos de costura, de bordado ou de artesanato, as presas sonham com um futuro melhor fora das grades. A maioria delas, segundo Marjorie, consegue se empregar e continuar trabalhando nessa área mesmo depois de libertas. E, como afirmam os idealizadores e colaboradores, essa é a maior gratificação que podem receber.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s