Redação Multimídia

12 de fevereiro de 2014
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

SP aconselha vacina contra sarampo para quem for viajar para Pernambuco e Ceará

Os dois Estados nordestinos vêm enfrentando casos da doença neste ano

 

O paulista de todas as regiões do Estado, incluindo a Grande São Paulo, e está com viagem marcada para Pernambuco e Ceará precisa tomar a vacina contra o sarampo. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, esses Estados registram um número elevado de casos e quem viaja para lá sem estar imunizado pode trazer o vírus da doença de volta. O ideal é que as pessoas tomem a vacina 10 dias antes da viagem.

A vacina tríplice viral está disponível gratuitamente no SUS (Sistema Único de Saúde). “A medida de prevenção mais segura e eficaz contra o sarampo ainda é a vacinação, que protege também contra a rubéola e a caxumba”, segundo a médica e diretora técnica da divisão de imunização da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Helena Sato.

Durante a idade adulta e em crianças menores de um ano de vida os riscos de complicações pelo vírus costumam ser maiores. No passado, o sarampo já foi considerada como o grande matador de crianças. Por ser uma doença grave, em gestantes ela pode até provocar aborto ou parto prematuro. Por isso, a diretora aconselha que todos se imunizem.

No Estado de São Paulo foram registrados cinco casos de sarampo em 2013, todos vinculados à importação de outros países, especialmente Índia e Reino Unido. No mesmo ano, pessoas vieram a óbito devido ao Sarampo no Paquistão e Nigéria, e houveram milhares de casos na China.

Prevenção necessária

Márcia Fernandes de Lima Albuquerque, 44, pernambucana que reside em Santo André, costuma viajar de dois em dois ano para a terra natal dela. Ela não lembra se foi vacinada, mas se recorda da mãe contando que sempre teve muitas campanhas na cidade. Por isso, ela está atenta na prevenção dos filhos contra as doenças, especialmente quando viajam.

“Eu me preocupo tanto comigo quanto com minha família. Tem pessoas que falam ‘se tiver que pegar alguma doença, vai pegar’, mas acredito que se você evitar, com certeza vai precaver contra problemas futuros”, conta Márcia.

Pelo calendário do SUS, a primeira dose da vacina deve ser aplicada aos 12 meses de idade e a segunda, entre quatro e seis anos. Para os adolescentes que não tomaram entre os 10 aos 19 anos, são duas aplicações no intervalo de 30 dias.  Para os adultos não imunizados, a vacina também está disponível e deve ser aplicada somente em uma dose, e é indicada para os nascidos a partir de 1960.

A doença foi erradicada no Brasil em torno do ano de 2000 quando houve uma circulação epidêmica do vírus. Hoje em dia o que acontece são apenas casos esporádicos.

Sintomas

O sarampo é de natureza viral e altamente contagiosa. É transmitido por secreções das vias respiratórias de uma pessoa infectada, através de gotículas vindas da fala, espirro ou tosse. A transmissão pode ocorrer antes do aparecimento dos sintomas e estender-se até o quarto dia depois que surgiram placas avermelhadas na pele.

As pessoas que viajaram ao exterior nos últimos 30 dias ou tiveram contato no mesmo período com alguém que viajou devem ficar atentas quanto aos sintomas da doença. Além das placas avermelhadas na pele que começam no rosto e progridem em direção aos pés, a pessoa apresentará tosse, coriza, febre alta, conjuntivite e perda de apetite. Ao perceber os sintomas, a pessoa deve procurar imediatamente um hospital ou um médico de confiança.

 
 

08 de dezembro de 2013

Editoria: Comportamento
Foto: Maristela Caretta/RRO
Cobertura de evento
Disponível aqui

Atrações divertem homens e mulheres no Expometô

Maquiagem, paintball e skate atraem os visitantes

O Expometô, que ocorreu este final de semana, reuniu ambientes diferentes para os mais diversos estilos. Os alunos expositores de publicidade e propaganda da Universidade Metodista de São Paulo também pensaram em como atrair todos os gêneros, seja homem ou mulher.

Uma das agências, junto da marca Lola & Maria, contratou uma maquiadora para fazer com que as mulheres que passassem pelo espaço pudessem se produzir. imagekombmake

Wasqueliene Souza, 21, preparou as meninas dentro de uma Kombi, com detalhes bem femininos e produtos para todos os gostos.

No sábado, ela produziu um total de 12 maquiagens, já no domingo, em duas horas de evento foram feitas mais de cinco. “Os alunos que me contrataram pensaram bem na delicadeza que a marca traz e na feminilidade das mulheres”, contou a maquiadora.

Já o stand ao lado assustava um pouco quem passava perto. Tiros eram disparados e skates rolavam: era uma minipista da modalidade e o paintball.

O organizador era o ex-aluno de comunicação mercadológica e agora cursando publicidade, Jersom Tavares, 24, que está  no sexto  semestre do curso. Ele conta que a agência dele se associou a marca Breacknecks e chama atenção de “quem gosta de surf, tem um estilo diferente de vida e busca aventura”.

O skatista amador Gustavo Furtina, 19, se arriscava em algumas manobras na minipista de skate e afirmou que já comprava roupas e acessórios da marca. “Eu gostei muito daqui, é muito divertido fazer parte disso”, contou.

 

02 de dezembro de 2013
 

Editoria: Comportamento
Foto: Arquivo pessoal
Disponível aqui

Metade dos brasileiros já comprou algo que nunca usou, aponta estudo

Segundo a pesquisa do SPC, seis em cada dez entrevistados assumem que pensam em comprar supérfluos antes mesmo de receber o salário

 

O consumidor brasileiro ainda exagera na hora das compras. De acordo com um levantamento feito em 27 capitais pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), 88% dos entrevistados se autodeclaram conservadores ou moderados quando vão as compras, mas 47% admitem que, movidos pelo impulso, já adquiriram algum produto que sequer chegaram a usar. imagesapatos

Além disso, o brasileiro ainda tem a necessidade de recorrer ao consumo como forma de satisfazer seus desejos. Tanto é assim que 59% já compraram algo pensando “eu mereço”, mesmo sem ter condições financeiras para adquirir o produto. Segundo a pesquisa, seis em cada dez entrevistados assumem que antes mesmo de receber o salário, já pensam nas compras supérfluas que farão no mês seguinte. Isto afeta principalmente os entrevistados das classes C, D e E, somando 69%, ao passo que entre os consumidores das classes A e B, o índice é de 51%.

É o caso da jornalista Mayara Vassoler Guerrero, que reside em São Caetano. Ela possui 42 pares de sapatos, mas não usa nem metade no cotidiano. E ainda há as bolsas, que somam mais de 20, sendo que 18 ficam sempre guardadas. “Eu sou louca por bolsa, compro porque sou apaixonada e tem alguns sapatos que são específicos para festa, então uso raramente”, confessa.

E essas são só algumas das desculpas para manter as peças no armário. Mas por que não doar? A resposta é simples. “Tenho esperanças que vou usar em alguma ocasião”. Mayara nunca chegou a se atrapalhar com dívidas, mas seu pai já teve que complementar o dinheiro para ela realizar novas compras até que recebesse o salário.

A psicóloga Adriana Lopes Fernandez analisa casos de pessoas com comportamento compulsivo para compras. “Elas têm algum descontentamento em uma área da vida, algo está desequilibrado e os objetos servem como uma forma de preencher um vazio”, afirma. Para  Adriana, comprar sem limites não é suficiente. “Os consumidores compulsivos vão para as compras em busca de prazer e depois se endividam, acumulam coisas inúteis e em seguida se arrependem”, afirma.

Para prevenir este tipo de comportamento, a especialista aconselha o comprador sem limites a fazer um trabalho de terapia para se autoconhecer e ter consciência do possível problema.

 


26 de novembro de 2013

Editoria: Cidades
Em parceria com: Yago Delbuoni
Foto: Maristela Caretta/RRO
Disponível
aqui

Índices de gravidez na adolescência diminuem no ABC

Entre 2004 e 2011, taxa caiu 16%

Cidades do ABC apresentaram uma queda de 16% no índice de gravidez em adolescentes. Segundo dados da Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados), no início da pesquisa, em 2004, o índice estava em 6,63%, já no fim do período, sete anos depois, a taxa está em 5,59% das adolescentes grávidas.

O estudo feito pelo UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas) intitulado como O Estado da População Mundial revelou que a cada ano 7,3 milhões de adolescentes têm filhos em países subdesenvolvidos. Desse total, dois milhões têm até 15 anos. imagegravida

Nacionalmente, os números mostram que 19,3% das crianças nascidas em 2010 são filhos de mulheres de adolescentes de no máximo 19 anos. Ainda de acordo com a pesquisa, no mesmo ano 12% das adolescentes brasileiras, entre 15 e 19 anos, são responsáveis por pelo menos um filho. Em 2000, o número chegava a 15%.

É o caso da auxiliar administrativa Beatriz Reis, 20, que ficou grávida aos 19 anos. A surpresa causou uma mistura de sentimentos, mas o medo prevaleceu. “Senti medo do que estava por vir, mas nunca desisti de ter meu filho. Meu medo ate hoje é de um dia faltar algo a ele e de não conseguir proporcionar o que meus pais me ofereceram”, conta.

Os pais da adolescente também se abalaram. Eles queriam que a filha fizesse a faculdade antes, casasse, tivesse uma casa, mas não foi isso que ocorreu. “Sai do serviço pra ficar com o bebê e agora ano que vem volto a trabalhar”, diz Beatriz.

A hebiatra, médica especialista em adolescentes, Talita Poli afirma que essa é uma tendência que vem crescendo em muitas regiões e o motivo é o maior acesso à saúde e informação, além disso, “as adolescentes estão mais preocupadas com o assunto em relação aos últimos anos. E também há mais proteção por parte das meninas com utilização de métodos como os anticoncepcionais e utilização de preservativos”.

A faixa etária que não seguiu o viés de baixa no número de adolescentes grávidas foi o de até 14 anos. No período entre 2004 e 2011 foram registrados dois milhões de casos nos países subdesenvolvidos. Segundo Talita, as explicações são muito pouco estudadas, uma delas é porque ninguém ainda percebe que essa faixa etária é de risco e que há esse aumento pelo fato de responsáveis não acreditarem que meninas com menos de 14 anos vá ter relações sexuais: “Assim ninguém faz orientações para essa adolescente. Não é por questões de má vontade, é por motivos da própria sociedade, um certo moralismo, e assim os adultos se esquecem de dar a devida orientação”.

 

 
 

31 de outubro de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Controle de Zoonoses fiscaliza cemitérios no Dia de Finados

Prefeitura de Santo André está preocupada com o excesso de flores; agentes já vistoriaram cinco cemitérios da cidade e 18 floriculturas.

 

A equipe de Controle de Zoonose de Santo André intensificará no próximo sábado, Dia de Finados, o trabalho na prevenção e combate ao mosquito transmissor da dengue. O objetivo é tentar bloquear a doença no município.

Agentes da vigilância ambiental em saúde passaram os últimos dias percorrendo os cinco cemitériosAssunção, Camilópolis, Vila Curuçá, Santo André e Vila Pirese as 18 floriculturas que estão localizadas ao redor. Todos os funcionários foram alertados.

A orientação dada para os comerciantes é que eles não vendam plantas na água, que deve ser  substituída por terra ou areia. A Vigilância Sanitária também aconselha a não utilizar pratinhos que possam acumular o líquido, evitando que ele fique parado e atraia o mosquito da dengue, o Aedes aegypiti. Já para os cemitérios é dada a dica para que os funcionários fiquem de olho nas plantas que são depositadas nos túmulos.

No sábado, agentes também estarão nos cemitérios para orientar a população, os proprietários de campas e funcionários que receberão um material educativo.

Esta é a primeira vez que esta ação acontece. Até o ano passado era realizada uma panfletagem com orientações, mas ela foi cancelada porque “as pessoas pegavam e jogavam fora em qualquer lugar, sem notar a importância daquilo”, como afirma o gerente de Controle de Zoonose, João Carlos da Rocha Tristão.

Depois do dia 4, os agentes voltarão em todos os cemitérios para verificar se não há nenhum foco da dengue, se houver, vão agir imediatamente retirando os criadouros.

A dengue

Em nota, a prefeitura informou que a situação da doença está sob controle. Neste ano, até o dia 25 de outubro, foram registrados 165 casos, dos quais 125 importados e 40 autóctones (adquiridos dentro do município).

Em caso de suspeita, a pessoa deve procurar imediatamente um médico de confiança ou do serviço de saúde. Os sintomas podem se confundir com uma gripe: febre alta, dores articulares e musculares, dor de cabeça e na região atrás dos olhos, manchas avermelhadas pelo corpo, cansaço, vômito e diarreia.

 


28 de outubro de 2013

 

Editoria: Tecnologia
Foto:
Maria Paula Vieira/RRO
Disponível
aqui

Rede de internet aberta oferece perigos aos usuários

Cerca de 7,1 milhões de internautas brasileiros utilizam Wi-Fi; mais de 10% invade o sinal do vizinho

A tecnologia que permite a conexão à internet sem fio entre diversos dispositivos é conhecida como Wi-Fi. Ela oferece a oportunidade de acessar a rede de qualquer lugar da casa sem o uso de cabos. Porém, se essa rede é deixada aberta, sem a proteção de senha, pode deixar os dados pessoais do titular vulneráveis.

imageSegundo estudo divulgado pelo Data Popular no mês passado, cerca de 7,1 milhões de usuários brasileiros acessam a internet por meio de redes Wi-Fi. Deste contingente, muitos utilizam sem autorização a internet do vizinho. De acordo com a pesquisa, a classe C é a campeã de invasões – mais de 10% dos entrevistados disseram navegar na rede alheia. Há, ainda, casos em que os usuários dividem a conta, ou seja, um paga e rateia o valor entre os vizinhos, assim o preço sai mais barato para todos.

De acordo com o analista de sistemas, Rodrigo Perlim, esse hábito oferece perigos. Ele explica que, se um vizinho, por exemplo, tiver algum conhecimento para capturar as informações que estão sendo trafegadas nessa rede, ele consegue dados como senhas utilizadas em e-mails, contas bancárias e informações profissionais, caso sejam acessados no momento. “O pior é que nós não conseguimos descobrir quando a pessoa invade, apenas quando o estrago já está feito”, afirmou.

Apesar dos perigos, algumas pessoas deixam a rede desbloqueada, sem senha de proteção. O técnico de web, Djeison Possamai, de São Bernardo, conta que sempre utilizou o wi-fi aberto. “A internet no Brasil já está muito cara. Ao deixar o tráfego livre, acho que ajudo quem está precisando se conectar”. Possamai acredita que aqueles com conhecimento para cometer um crime via internet conseguem burlar facilmente a senha de um roteador comum.

Apesar disso, é sempre bom ficar atento em casa e no wi-fi público oferecido em lojas, cafés e restaurantes. “Nunca se sabe quem pode estar mal-intencionado”, finaliza Rodrigo Perlim.

 

27 de setembro de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível
aqui

Projeto Orelhinha realiza triagem para correção de orelha de abano no ABC

Movimento de saúde combate o bullyng financiando em 70% o tratamento corretivo em orelhas de abano

Em dois anos de existência, o Projeto Orelhinha já realizou 1.300 intervenções corretivas em crianças e adolescentes que apresentaram orelhas abertas ou em abano. Um dos principais objetivos é combater o bulliyng  sofrido em virtude deste problema.

A ação social foi criada para facilitar a realização do procedimento corretivo, já que o SUS e os convênios particulares não cobrem financeiramente por ser considerado algo estético. O Projeto Orelhinha ajuda crianças com mais de sete anos e geralmente com baixa renda oferecendo 70% de gratuidade para a operação, conhecida como otoplastia. Inicialmente as correções foram realizadas na cidade de Campinas e agora já atendem crianças da  Grande São Paulo, incluindo o ABC.

“O que mais empolga a gente é o resultado, porque com o bullying as famílias e as crianças, principalmente, sofrem demais. Então, quando opera, muda completamente a vida da pessoa, ela se sente mais confiante, a autoestima aumenta”, conta o médico idealizador do projeto e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Marcelo Assis.

Em média, o procedimento custa R$ 6 mil, e os pacientes atendidos pelo Projeto Orelhinha arcam com 30% do custo total referente a material, estrutura hospitalar e pessoal de apoio. O valor total pago pelas famílias  é de R$ 1.650,00  podendo ser parcelado.

Segundo  Marcelo Assis a expectativa é realizar cerca 150 cirurgias em pacientes da Grande São ,Paulo, que serão feitas no hospital Rubem Berta.

Para marcar uma consulta, se cadastrar ou ter mais informações, ligue para 0800 718 7804 ou entre no site http://www.projetoorelhinha.com.br/.

Sobre a cirurgia

Considerada uma cirurgia simples, ela dura entre 30 a 40 minutos, com anestesia local e uma pequena sedação. Após o procedimento, as crianças ganham um lanche e a alta é dada algumas horas depois. No pós-operatório o paciente tem que utilizar uma atadura por 4 dias, após este período já pode  retomar as atividades normais.

A prática de esportes com bolas ou lutas e exposição ao sol e piscinas devem ser evitados por um mês. A última consulta é realizada 90 dias após a cirurgia.

 
 
 

11 de setembro de 2013
 

Editoria: Saúde
Em parceria com:
Raphael Andrade
Foto:
Arquivo/RRO
Disponível
aqui

Clinicas veterinárias oferecem necropsias em animais

Com preços chegando à quase R$ 300, procedimento pode ser útil na elucidação de mortes de cães e gatos

 

imagecaoAnimais também passam por necropsias, procedimento semelhante a prática médica realizada em humanos para determinar a causa da morte.

“Nós temos uma média de duas a três por semana”, disse o patologista Laerte Baldani, se referindo ao número de necropsias realizadas na clínica de patologia veterinária onde ele trabalha. Embora ainda não seja um procedimento conhecido, as autopsias já estão sendo bastante procuradas em diversas situações pelos donos de bichos de estimação que morreram há pouco tempo. O preço para a necropsia varia entre R$ 250 à R$ 300.

O laudo pericial pode ser solicitado para elucidar possíveis dúvidas existentes em relação à causa da morte do animal, e realizado por qualquer veterinário formado, sem necessidade de uma especialização. “O curso de especialização orienta a exercer o trabalho com um pouco mais de conhecimento, mas se um profissional é solicitado para fazer algum tipo de perícia, a primeira coisa necessária é que ele seja muito conhecedor sobre esse assunto”, contou o patologista.

Todas as provas eventualmente encontradas na necropsia são encaminhadas primeiramente à solicitante da ação, mas elas são apenas uma parte do contexto de perícia. Para atuar como perito, existem três possibilidades: ser nomeado perito por um juiz de direito, para auxiliar na conclusão de uma ação judicial; ser contratado como perito particular para acompanhar a atuação do perito nomeado pelo juiz ou passar em concurso público para perito criminal da polícia civil ou federal.

Baldani conta que nos casos em que foi solicitado a atuar, não houve uma investigação profunda. “Em todas as vezes em que fui contratado, houve um acordo e o processo não deu continuidade”.

Os peritos veterinários podem atuar em muitas áreas como em comércio de animais zootécnicos, em fraudes de alimentos de origem animal, em maus-tratos e crimes contra animais, entre outros. “Em toda área de atuação do veterinário se existir alguma questão policial ou politica que exija uma interpretação ou investigação mais apurada a respeito de provas, precisa-se de um veterinário”, explicou.

O estudo das técnicas de perícia veterinária legal está dividido nas áreas de medicina veterinária legal e forense na área civel. A medicina veterinária legal foi criada juntamente ao Código de Defesa do Consumidor e por meio da conscientização dos direitos por parte dos consumidores.

A média de salário de um veterinário pericial da polícia cível é de R$ 7 mil.

 
 
 

23 de agosto de 2013
 

Editoria: Cultura
Foto:
Divulgação
Disponível
aqui

2º Festival Internacional de Teatro para Bebês começa neste final de semana em São Bernardo

Com delicadeza e sinceridade, a proposta inédita no Brasil acredita na capacidade poética dos pequenos

Os olhos atentos, deslumbrados e sinceros de um bebê são a inspiração para o 2º Festival Internacional de Teatro para Bebês, que vai acontecer nos próximos finais de semana, de 24 de agosto a 16 de setembro, no Clac (Centro Livre de Artes Cênica), em São Bernardo. Marcados pela poesia visual, cenários simples e trazendo sonhos infantis, os espetáculos são totalmente gratuitos.

A proposta, inédita no Brasil, é baseada na crença da capacidade poética das crianças desde o dia em que elas nascem, envolvendo-as na arte.

Partindo desse pressuposto, uma das peças criadas é a “Bailarina”. Trata-se da história de uma mãe que ganha de sua filha uma caixa de música onde se encontra uma bailarina. Trazendo emoção e lembranças, o presente faz com que ela se sinta aquela peça, dançando, se arriscando e até caindo, como um bebê dando os primeiros passos. imagebalebebes

Mesmo com espetáculos muito delicados, cheios de mínimas ações e silêncios, para os atores as atividades continuam sendo teatro acima de qualquer coisa. “Não é um desejo de estabelecer relação interativa ou recreativa, mas sim, uma relação teatral com as crianças”, conta a responsável pelo Grupo Sobrevento e atriz do espetáculo Bailarina, Sandra Vargas.

O grupo destaca também que o Teatro para Bebês quer mostrar que os recém nascidos não são limitados, entendem e até se emocionam, basta estabelecer uma relação com eles.

Como atriz, Sandra conta que esta é uma experiência muito emocionante. “Os bebês tem um olhar tão sincero que eles obrigam você a ter um tipo de interpretação profundamente sincera. Quando você faz uma interpretação mais superficial, mentirosa, você perde a atenção deles, perde a plateia”, explica.

Os espetáculos são para crianças de seis meses a quatro anos e se propõem a surpreender e comover a plateia, além de mostrar a maturidade alcançada pela arte voltada para a primeira infância e os novos caminhos teatrais que ela aponta.

O festival é organizado pelo Grupo Sobrevento em parceria com a companhia La Casa Incierta, que trabalha há 10 anos com este perfil de público, e tem o apoio da Secretaria de Estado da Cultura. O plano é que o Festival seja sempre anual, em São Bernardo e São Paulo.

2º Festival Internacional de Teatro para Bebês

  • Abertura – Mesa redonda: “Criação no Teatro para Bebês – Pedagogia ou Poesia?”
    Data e horário: 23/08, 19h
  • Café Frágil
    Data e horário: 24 de agosto, 11h e 14h e 25 de agosto, 9h e 11h
  • Meu Jardim
    Data e horário: 31 de agosto e 1º de setembro, 11h e 14h
  • Jardim de Caiçara
    Data e horário: 7 e 8 de setembro, 14h
  • Bailarina
    Data e horário: 14 e 15 de setembro, 11h30 e 14h30
  • Songs from above
    Data e horário: 14 e 15 de setembro, 11h e 14h
  • Oficina: “Em Busca de uma Dramaturgia para a Primeira Infância”
    Data e horário: 2 e 3 de setembro, das 9h às 12h (destinada a artistas, pesquisadores e educadores, 25 vagas. Inscrições pelo e-mail info@sobrevento.com.br)

 

Endereço: CLAC – Centro Livre de Artes Cênicas – Praça São José – Baetas Neves, São Bernardo do Campo.

O encerramento, com a mesa-redonda “O Ator no Teatro para Bebês – Caminhos para uma Comunicação Poética”, será realizada no dia 16, às 19h, no Espaço Sobrevento, localizado na rua Coronel Albino Bairão, 42 – Belenzinho – São Paulo. Para mais Informações: 4125-0582.

 

09 de agosto de 2013
 

Editoria: Comportamento
Foto:
Arquivo Pessoal
Disponível
aqui

Relação de enteados com padrasto mostra que os contos de fadas também erram

Com os novos moldes familiares padrastos assumem funções paternas, veja histórias

Na literatura e contos de fadas os padrastos e madrastas normalmente eram retratados como figuras cruéis. Mas, no mundo moderno – e real –  essa relação vem se moldando e criando laços tão fortes que os tornam praticamente pais e filhos.

De acordo com a psicóloga Angélica Capelari, especialista em comportamento, esse envolvimento vai depender da afinidade entre os dois e da boa construção do relacionamento.

Foi o que aconteceu com o morador de São Bernardo Marcos Piazza, 22. Com os pais separados e o pai biológico morando do outro lado do mundo, lá no Japão, a mãe dele encontrou um novo amor. Do namoro, logo se uniram e foram morar na mesma casa após seis meses.  “Foi a fase de adaptação, onde descobrimos como era o jeito dele viver e como era o nosso, para tentarmos chegar em uma harmonia”, contou Piazza sobre a chegada do padrasto na casa. imagemarcos

O jovem morava sozinho com a mãe desde os 3 anos, foi um momento de aprender a dividir também. “Achei estranho, porque até então era tudo para mim e agora querendo ou não eu teria que dividir. Foi meio difícil no começo, mas eu entendi que não era eu que escolhia isso e sim minha mãe”, falou o enteado.

Com o pai, Piazza contou que não existe relação de pai e filho. Quem ele considera pai é o padrasto.

Outras histórias

Uma pessoa nova dentro de casa, novos hábitos, invasão de espaço.  A novidade também abalou o início do relacionamento entre a estudante Sofia Marote, 18, e o padrasto.  Enquanto o envolvimento dele com a mãe da menina, que na época tinha apenas 7 anos, se mantinha fora de casa tudo estava tranquilo, até que ele começou a viver com elas e a garota não suportou o ciúmes.

“Como eu tinha a minha mãe solteira desde então, morria de ciúmes dela. Coisa muito boba, pensando hoje em dia, mas que precisei até entrar em uma psicóloga pra poder me desgrudar daquele ‘ciúme doentio’”, explicou Sofia.

Mas hoje a estudante diz ter orgulho da mãe por ter escolhido tão bem o que ela considera o segundo pai. “E, mais orgulho ainda dele, por ter escolhido formar essa família que nós somos hoje!”, disse.

E foi uma operação de apendicite, que resultou em uma paixão, e fez a jornalista Carla Carolina Adolfi Mendes, 26, ganhar um padrasto. Acostumada com a mãe só para ela, a garota que na época tinha 7 anos sofreu muito. “Eu ficava um tanto revoltada. Foi complicado para eles lidarem”, falou Carla.

Paciente com a situação, o padrasto entendeu e após 3 anos eles se ajeitaram. E hoje, comparando as relações entre o pai biológico e o padrasto, a jornalista relatou: “Eu não sou muito próxima do meu pai e como convivo todos os dias com o meu padrasto, tenho ele como essa figura. Não substitui. Mas preenche o espaço”.

Funções paternas

E é exatamente isso que a psicóloga Angélica afirma: “O padrasto nunca vai ser o pai da criança, vai ser o padrasto. Ele tem que começar uma relação e aí vai conseguir a abertura da criança, mas só para que possa exercer algumas funções paternas”.

A especialista também avisa que um dos principais erros dos padrastos é atropelar a relação logo no início ou se afastando da criança ou já querendo tomar o lugar do pai, tirando o espaço dela. E em casos de ciúmes é necessário trabalhar isso com a criança, explicando a nova função desse homem dentro da casa.

A moradora de Santo André Karina Melo, analista de suporte, 20, era uma das crianças que não entendia. Com apenas 4 anos e sem nenhum contato com o pai biológico, ela achava estranho ver outro homem ali.  Mas com o passar do tempo foi compreendendo e hoje diz que: “Muita gente tem aversão aos padrastos e madrastas, mas nem dão uma chance para que mostrem que podem ser maravilhosos“.

 

 

07 de agosto de 2013
 
Editoria: Cidades
Foto: Arquivo/RRO
Disponível aqui
 

 

Lei Maria da Penha completa sete anos na luta contra a violência doméstica

Casas de apoio como a Vem Maria, em Santo André, oferecem gratuitamente abrigo, apoio psicológico, jurídico e social

Nesta semana o Brasil comemora os sete anos da Lei Maria Penha, criada para proteger a mulher contra qualquer tipo de violência. Apesar de ser considerada pela Unifem (ONU para a mulher) uma das três legislações mais avançadas do mundo neste segmento, os números de casos de violência doméstica no Brasil ainda são desanimadores. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), as denúncias de mulheres cresceram em torno de 10% em relação ao ano passado, de 10.606 para 11.311.

Segundo especialistas, um dos principais motivos para isso acontecer é a crença de que a lei “não funciona”, somado ao medo de denunciar e das ameaças do parceiro. Para reverter a situação, ações e planejamentos vêm sendo feitos na região. imageagressao

Um dos grupos que estão combatendo nesta causa é o GT de Gênero do ABC, criado em 2004 com o objetivo de promover a cidadania ampliando a rede regional de serviços voltados à proteção das mulheres em situação de violência e risco de vida e incentivando ações que visem ao combate a quaisquer formas de violação física ou moral de gênero.

O GT de Gênero do ABC se reuniu no primeiro semestre para planejar as ações dos próximos dois anos. Uma das prioridades é fazer um trabalho de formação e de divulgação da importância das políticas públicas para as mulheres nos sete municípios que fazem parte do consórcio intermunicipal.

Além disso, o GT também está atualizando um guia de serviços para as mulheres vítimas de violência doméstica com endereços de casas de apoio e abrigos na região. Esta atualização deve ser concluída até o final de 2013.

Um desses locais é o programa Vem Maria, em Santo André, que apoia mulheres há 15 anos. Lá, as mulheres e seus filhos são acolhidos e amparados, recebendo apoio psicológico, jurídico e social, tudo gratuitamente.

“É um serviço essencial para que as mulheres se fortaleçam para virar a página”, disse a assessora especial de Políticas Públicas para as Mulheres de Santo André, Silmara Conchão.

A assessora também conta que após a divulgação realizada no ano passado, o atendimento do Vem Maria dobrou significamente. Na cidade, o programa recebe média de 20 casos por mês.

O serviço de Políticas Públicas também realiza um trabalho conjunto com o fórum de Santo André. A OAB-Comissão da Mulher luta pela valorização do gênero, oferecendo apoio entre o tribunal de justiça e a prefeitura de Santo André.

“É importante que a mulheres saibam que têm direitos. É uma situação em que a mulher precisa tomar uma atitude, registrar o boletim de ocorrência para que a polícia atue“, frisou Irena Dawisdowic Woloszyn, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB de Santo André.

Para tentar prevenir esta situação, a OAB também tem um projeto em que visita as escolas da região com o objetivo de combater desde cedo este tipo de violência. “Através da prevenção você  também consegue resultados. As crianças serão uma sementinha para o futuro”, completou Irena Dawisdowic Woloszyn.

Para Silmara Conchão, os filhos também sofrem convivendo com a violência doméstica. “Muitas dessas crianças se encontram em estado apático, nervoso e com desejo de vingança contra os pais”, alertou. Segundo Silmara, é preciso trabalhar em rede para ajudar a família a sair dessa situação.

História da Lei Maria da Penha

Popularmente conhecida como Maria da Penha, a lei número 11.340 decretada pelo Congresso Nacional e sancionada em 7 de agosto de 2006, foi criada homenagem à biofarmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes, que ficou paraplégica após levar um tiro de espingarda do marido, enquanto dormia, em 29 de maio de 1983.

Apesar da gravidade dessa e de outras demonstrações de violência, só em outubro de 2002 o agressor foi preso. Pegou pena de dez anos, cumpriu dois e hoje está livre. A maior vitória de Maria da Penha viria em 2006, com a promulgação da lei que leva seu nome.

 

 

21 de junho de 2013
 

Editoria: Saúde
Foto:
Renato Farias/RRO
Disponível
aqui

Tanque de areia é item perigoso para a criançada brincar nos parquinhos

Infecções podem ser encontradas facilmente no local; fezes de felinos, cães e pombas são o principal motivo

É tempo de férias e as crianças ficam afoitas querendo fazer de tudo. E uma das opções são os parques infantis e praças. Mas, no meio do escorregador, balanço e gira-gira, os tanques ou caixas de areia podem ser um risco.

Espalhadas por vários locais da região e em condomínios com área de recreação, as caixas de areia são o local de divertimento das crianças, que podem passar horas lá. Mas contaminações, doenças e infecções podem ser adquiridas caso não haja cuidados. renatofarias_parque

Com a frequência de animais, como gatos e cachorros, excrementos ficam parados no local e os pequenos podem colocar na boca.

A toxoplasmose é uma das maiores preocupações devido a isso. Vinda principalmente das fezes dos felinos, a doença infecciosa quase não apresenta sintomas, mas pode ocasionar casos graves no fígado e músculos.

De acordo com o infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, as pombas também são inimigas da diversão da criançada. “Os dejetos das pombas, especialmente inalados, podem promover infecções pulmonares decorrentes de alguns fungos”, explicou o médico.

A dica dada pelo especialista é que os pais estejam sempre vigilantes, atentos para que as crianças não coloquem os brinquedos e areia na boca. “O ideal é que os tanques sejam cercados ou fechados”, concluiu Gorinchteyn.

Além disso, o ideal é dispor de um balde com água limpa para lavar as mãos dos pequenos e evitar levar alimentos para esses locais. O álcool em gel só é utilizado caso não seja possível lavar as mãos, sendo um facilitador.

A mãe de Giovanna, de 3 anos, Vera Lúcia Silvério, conta que este é o brinquedo preferido da menina. Logo que chegam ao parque, já observam se não há muitos animais por perto. “A gente se preocupa muito nesse sentido, para não pegar nenhuma bactéria e também para não encontrar nenhum objeto que possa machucar.”, afirmou Lúcia.

Após a brincadeira, o primeiro passo que a mãe da menina faz é levar ela para lavar as mãos. E assim como orienta o infectologista, não transporta nenhum alimento ao local.

Sempre bom lembrar que brinquedos mal conservados e enferrujados também podem ocasionar ferimentos e assim levar a uma infecção.

 

 

28 de maio de 2013
 

Editoria: Cidades
Disponível aqui

 

Rede de reabilitação Lucy Montoro deve ser implantada em Santo André

Programa seria instalado no Hospital Mário Covas para diminuir filas de espera por órteses e próteses

As pessoas com deficiência na região poderão ter mais um apoio às suas necessidades. O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC está discutindo a implantação de uma rede Lucy Montoro. O investimento previsto para a construção da unidade é de R$ 8 milhões, fora a manutenção mensal de aproximadamente R$ 800 mil.

A rede é um dos maiores centros de reabilitação, composta por 18 unidades fixas e uma unidade móvel no Estado de São Paulo, que oferece tratamento de alta complexidade, ensino e pesquisa em reabilitação de pessoas com algum tipo de deficiência atendidas por profissionais multidisciplinares.

A implantação de uma unidade no ABC vem sendo discutida há algum tempo entre a secretária estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, que apoia a iniciativa e os prefeitos da região.

Um dos motivos que levaram ao projeto foi o fato de a região estar se tornando cada vez mais populosa, com alto nível de industrialização e rodovias importantes, tornando o risco de acidentes maior e levando pessoas a sofrerem com problemas que possam ocasionar alguma deficiência.

“Isso [unidade Lucy Montoro] pode contribuir para minimizar a demanda por este tipo de serviço. As pessoas hoje são referenciadas pelo Centro Municipal de Reabilitação, em Santo André, mas é um serviço que ainda tem uma limitação”, conta o coordenador do GT Pessoa com Deficiência do Consórcio, Gínez Garcia.

Se esse centro de reabilitação vier mesmo para o ABC, é grande a possibilidade de que ele seja instalado nas dependências do Hospital Estadual Mário Covas, localizado em Santo André. “Uma pessoa com deficiência, antes de tudo, é uma pessoa. Então, do ponto de vista clínico, precisa de reabilitação, uma coisa mais especifica que está ligada a sua deficiência, mas também precisa de outros serviços e, estando tudo no hospital, já facilita as coisas”, ressaltou Gínez.

Atualmente, o serviço de produção de órteses e próteses é centralizado e encaminhado para a APRAESPI (Associação de Prevenção, Atendimento Especializado e Inclusão da Pessoa com Deficiência) de Ribeirão Pires.

Em nota, a secretária estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella, informou que as propostas para a implantação da unidade ABC da rede Lucy Montoro estão sendo amadurecidas e já foram encaminhadas ao governador Geraldo Alckmin.

 

 


25 de maio de 2013

Editoria: Cidades
Disponível aqui

Deficientes estão sem natação gratuita há mais de um mês em Santo André

Com a interrupção da verba, alunos que praticavam o esporte para auxílio de tratamento estão prejudicados

Há mais de um mês os  deficientes que praticavam natação no  Nanasa (Núcleo de Natação Adaptada de Santo André) estão sem poder desenvolver as atividades. A justificativa dada pela prefeitura é de que a falta de verbas e atraso em análises do projeto impediram a continuidade das ações, que eram desenvolvidas há pelo menos 11 anos.

O Nanasa necessita de patrocinadores para funcionar, sobrevivendo de doações de iniciativa privada, porém a Lei Paulista de Incentivo ao Esporte que direciona verbas para as aulas de natação, por meio do  programa “O esporte ao alcance de todos” não está mais transferindo o auxílio.

A verba, de cerca de R$ 900 mil, só será liberada após a aprovação e publicação no Diário Oficial da União.  A continuidade do projeto já está aprovada , porém para a retomada das atividades depende ainda da liberação da verba prevista  pelo governo do Estado.

A Lei Paulista de Incentivo ao Esporte prevê para este ano R$ 80 milhões. Deste total,  cerca de  R$ 53 milhões já estão comprometidos com  os planos em fase de captação. Isto significa que restam apenas R$ 28 milhões para cerca de 103 projetos, entre eles as  aulas de natação do Nanasa, destinadas aos deficientes.

Segundo o atual presidente do Acide (Associação pela Cidadania das Pessoas com Deficiência) – criada para administrar o Nanasa  – , José Carlos Rodrigues Bueno, a prefeitura enviou um comunicado afirmando que o núcleo voltaria a funcionar com as aulas em junho com as verbas municipais, enquanto o Nanasa buscaria captação de  mais recursos via a Lei de Incentivo ao esporte.

Em nota, a prefeitura se posiciona dizendo que está reunindo forças para que os serviços sejam retomados. Por ser um serviço especializado e caro, a opção que a municipalidade alega ter é fazer uma reestruturação do projeto onde ela realmente assumiria mais responsabilidades.

Mas, enquanto isso, o Nanasa espera um socorro financeiro da prefeitura, e a inclusão do projeto na  Lei Paulista de Incentivo ao Esporte  por parte do Governo do Estado. Os alunos que aderiam ao projeto estão sem aulas, sendo prejudicados fisicamente sem o desenvolvimento da atividades.

Para José Carlos Rodrigues Bueno, os exercícios auxiliam no tratamento de pessoas com qualquer deficiência. Cadeirantes que estavam conseguindo sair um pouco do equipamento, se movimentando melhor, hoje estão retrocedendo. “É muito constrangedor você ver nos olhares dos pais, um projeto que é de extrema importância para os usuários, ser interrompido. Isso acarreta uma perda para a pessoa que estava praticando o esporte, um desestimulo para a continuação e um prejuízo para o nosso ano de ensino”, relata o presidente da Acide.

O ex-presidente da entidade, Carlos Alberto dos Santos, afirma que todos de uma maneira geral sentiram muito com esse impacto, totalmente sem apoio. “A gente já vinha alertando pra essa possibilidade desde janeiro e mesmo assim não houve um socorro”, afirmou Carlos.

 
 
 

22 de maio de 2013

Editoria: Cultura
Foto: Divulgação
Disponível aqui

Cantor Pedro Mariano se apresenta nesta quinta em São Caetano

Viajando por várias fases da carreira, repertório reúne músicas antigas e as do novo álbum

 

Trazendo influências de todos os estilos e sua diversidade musical, a voz do cantor Pedro Mariano invade os palcos do Teatro Santos Dumont em São Caetano nesta quinta-feira (23), às 20h. O show será realizado pelo Sesc em parceria com a Secretaria de Cultura da cidade.

Há cerca de 12 anos longe dos palcos de São Caetano, Pedro vem para apresentar o oitavo disco de sua carreira, intitulado “8”. Com músicas recheadas de amor – uma das marcas do cantor –, no show ainda poderão ser conferidos sucessos do inicio de sua carreira, como “Voz no Ouvido” e “Nau”, passeando por diversas fases do artista até agora. imagemariano

No auge de sua trajetória, em entrevista o cantor brinca que está vivendo uma “lua de mel” com esta turnê. “O grande barato desta turnê é poder expor o disco inteiro em um show e estar sendo extremamente bem recebido pelo público”, comentou Pedro.

Dinâmico e interativo, a set list onde o cantor interpretava músicas de outros cantores perdeu espaço no show, sendo totalmente focado em Pedro. E como já era de se esperar, as expectativas do músico e instrumentista são as melhores possíveis.

Em uma das faixas do disco, ele ainda conta com a participação especial da cantora Luiza Possi, mas pra quem esperava uma visita surpresa da cantora por lá, não será dessa vez. “As nossas agendas não bateram, mas sempre que a gente pode estar junto no palco a gente tenta armar de fazer a participação um no show do outro”.

A primeira vez que Pedro esteve na cidade foi em uma das unidades do Sesc, ainda pequena na época. Mas dessa vez a história é outra, a noite será de casa cheia. Com ingressos já esgotados, o cantor se vê realizado. “É tudo o que você quer, anunciar um show, logo esgotar e você só esperar por aquele momento”, disse Pedro.

 

Pedro Mariano – Projetos Quintas Brasileiras do Sesc SP
Teatro Santos Dumont – Avenida Goiás, 1,111 – Bairro Santa Paula – São Caetano
Apresentação dia 23 (quinta-feira), às 20h
Indicação Livre
Ingressos a R$ 16 (inteira) e R$ 8 (usuário matriculado no Sesc e dependentes, pessoas com mais de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 4 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes).

 

 


 21 de maio de 2013
 

Editoria: Cultura
Disponível aqui

Peça infantil “Cadê Meu Herói?” é encenada em São Caetano

Com uso de fantoches, espetáculo faz sátira aos heróis de televisão e uma releitura dos grandes romances

 

No próximo sábado, 25/05, será realizado no Teatro Santos Dumont o espetáculo “Cadê Meu Herói?”. Com direção de Luís André Cherubini e contando com o Grupo Sobrevento, a classificação é livre e promete atrair crianças e adultos.

Quem ouve o início da história imagina que se trata de Rapunzel, mas essa donzela da peça não tem os cabelos comprimidos como a dos contos de fada. Aprisionada na torre de um castelo, a jovem se vê sem saída, prestes a se casar com o barão malvado que a prendeu. E ela, como as grandes princesas, espera pelo seu herói.

Essa é uma releitura dos romances de cavalaria, mas ao decorrer da trama, reviravoltas são dadas e o espetáculo revela um desfecho real, sem fantasias, mostrando que não existem heróis e que o dialogo é a melhor solução.

Feita com fantoches, a peça traz uma técnica chinesa, estrelado pela mocinha que é feita pela atriz Sandra Vargas: “Ela foge do que as pessoas imaginam como uma princesa. Ela é agitada, muito tecnológica e até chega a encomendar seus heróis por internet!”, comenta a atriz.

Sandra ainda conta que o espetáculo atrai inclusive crianças que acham que não tem mais idade para coisas infantis, porque o humor é mais aguçado e regado com sátiras e ironias aos heróis de televisão e ao mesmo tempo feito de forma delicada.

E claro, como já era de se esperar, o amor vence.

Serviço

Local: Avenida Goiás, 1111 – Bairro Santa Paula
Horário: 16h
Dia: Sábado (25)
Ingressos: R$ 10 (inteira), meia R$ 5 e R$ 2,50 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes). Estão à venda pela REDESESC e, se não esgotarem, serão vendidos na bilheteria do teatro a partir das 15h do dia da apresentação.
Mais informações: 4220-8800

 

 


15 de maio de 2013
 

Editoria: Cidades
Disponível aqui

Aumenta o número de reclamações relacionadas à TV paga

Acesso ao serviço cresce, como também reclamações sobre cobranças indevidas

 

O crescimento de assinaturas de canais pagos é significativo  no Grande ABC. Segundo dados do Instituto de Pesquisa da Universidade Municipal de São Caetano, o salto foi de 29,1% em 2002 para 63,4% em 2012. Se levado em conta  o período entre  2007 e 2012, o avanço foi de 77%, segundo coordenador do Inpes, Leandro Prearo.

A pesquisa é realizada de seis em seis meses  de forma ampla, avaliando todo o aspecto socioeconômico e cultural das famílias do grande ABC e dentro deste contexto é avaliada a mensuração dos bens e serviços que as famílias possuem, entre eles, a TV paga.

Em todo o país esse serviço vem avançando e hoje  são 16,8 milhões de famílias com acesso à TV paga. De acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) de cada 100 lares, 28 fazem parte do grupo de assinantes.

Porém, não foi só isso que aumentou, as queixas vieram junto com o pacote. De acordo com o Procon de Santo André, as principais reclamações são relacionadas a cobranças indevidas ou abusivas, rescisão ou alteração no contrato e dúvidas sobre cobrança, valor, reajuste, contrato e/ou orçamento.

Pelas estatísticas do Procon, foram mais de 70 reclamações em menos de seis meses só em Santo André. O aumento foi de mais de 10%, relacionado ao ano passado.

A meta da Anatel é fazer com que a quantidade de reclamações diminua em pelo menos 35% até dezembro de 2013. As operadoras se comprometeram a atuar em três frentes: infraestrutura, comunicação e atendimento.

 


 14 de maio de 2013

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Semana da enfermagem discute a importância da atuação do profissional

O processo humanizado na área da saúde é um dos destaques

Cuidado integral, olhar o paciente como um todo, observando cada detalhe ou problema. Essas são características do trabalho do enfermeiro. Comemorada esta semana, a profissão do enfermeiro existe há séculos e vem formando profissionais no mundo todo.

Em cada procedimento, o enfermeiro está para auxiliar o paciente e o médico. Por isso, em comemoração a Semana da Enfermagem, em São Caetano, acontecerá na Universidade Municipal de São Caetano (USCS) uma palestra com o tema “a atuação do Enfermeiro na doação de órgãos e tecidos”.

Das 8 da manhã ao meio dia do sábado (18), o evento abordará a importância destes profissionais em um processo delicado, além de explicar melhor como funciona a doação. A palestra é aberta a todo o público.

Além disso, será promovido também uma campanha de doação de sangue no dia 16, das 8h às 18h, lembrando da importância da coleta para ajudar outras pessoas e da colaboração destes profissionais da saúde nessa ação.

A enfermeira e professora da área, Lígia do Nascimento Souza, de Santo André, ensina os alunos com base na atuação profissional. “Eu tenho todo o cuidado com o paciente, eu vou tratá-lo bem e recebê-lo no hospital que é um ambiente frio, que traz medo, desconforto, então quando eu trabalho com excelência, eu acho que pelo menos consigo amenizar todas as expectativas negativas”.

 

 

 

26 de abril de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Estresse no trabalho afeta sete em cada dez profissionais

Pressão por resultado e cobrança de agilidade são principais fatores por nervosismo

A vida moderna tem levado as pessoas a trabalharem cada vez mais e isso tem feito com que os trabalhadores experimentem condições físicas ou mentais relacionadas ao estresse. A doença virou motivo de preocupação para empregadores e médicos, sete entre cada dez trabalhadores brasileiros sofrem de estresse no trabalho, como mostra estudo realizado pela Isma (Associação Internacional do Controle do Estresse) de 2010.

O tipo de desgaste a que as pessoas são submetidas, além da pressão por resultados e a cobrança de agilidade, são fatores relevantes para ocasionar aos trabalhadores perigos físicos e psicológicos. “As consequências de um trabalho estressante são o desencadeamento de algum transtorno mental, como por exemplo, a depressão”, explicou a psiquiatra Cintia de Azevedo Marques Périco, coordenadora da Enfermaria de Psiquiatria do Hospital Estadual Mário Covas.

Os sintomas psíquicos estão relacionados ao transtorno que a pessoa desenvolve, segundo a psiquiatra. No caso da depressão: tristeza, desânimo, falta de prazer em atividades exercidas, aumento ou diminuição de apetite ou sono, choro fácil e irritabilidade.
As mulheres são o grupo mais afetado devido à soma de tarefas como mãe, dona de casa e profissional, gerando uma sobrecarga psíquica e física. “Elas também são mais acometidas por estarem exercendo um papel profissional, historicamente, diferente do que ela exercia”, contou Cintia.

De acordo com estudos acadêmicos, algumas atividades estão mais relacionadas ao estresse, como bancários, professores, médicos, operadores de telemarketing e especialistas em TI (Tecnologia da Informação). O profissional da área de TI tem, em geral, uma rotina estressante com análises de dados, programação de códigos, solução de problemas, várias horas em frente ao computador e a necessidade de ser a interface entre o cliente e a empresa.

O profissional da área e especialista em relacionamento de dados, Valdir Adorni, é um dos casos que sofre com o problema. “O estresse é constante. A todo o momento a gente acha que não vai aguentar. Muitas vezes, todos os fatores te levam a não querer mais trabalhar”, comentou ele.

Há 20 anos trabalhando na área, Valdir também conta que observa muitos colegas de trabalho utilizando do cigarro ou álcool como válvula de escape para aliviar as tensões.

“Atualmente, observamos que os casos de afastamento por estresse, síndrome do pânico e outras doenças relacionadas cresceram muito”, afirmou Antônio Fernandes dos Santos Neto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo.

Neto contou ainda que, geralmente quando o profissional o procura, ele já está em estágio avançado de estresse. “As companhias precisam ficar atentas a isso, pois os sintomas aparecem aos poucos”, falou. “Há casos inclusive de relutância do trabalhador em aceitar afastamento e a empresa precisa fazer a sua parte”.

Sintomas como dor de cabeça, musculares, pressão arterial elevada e problemas gastrointestinais também são sinais alertados por especialistas.

 
 

 09 de abril de 2013
 

Editoria: Saúde
Foto:
Maristela Caretta/RRO
Disponível
aqui

Ação educativa em Santo André orienta sobre o mal de Parkinson

A doença é lembrada esta semana e atinge 300 mil brasileiros

 

O Shopping ABC está com uma ação educativa durante a semana do mal de Parkinson. Até o próximo sábado (13), das 10h às 21h, orientações serão dadas em um estande e a população ainda poderá tirar dúvidas sobre a doença.

Voluntários e panfletos explicativos orientam no diagnóstico, sintomas e onde buscar tratamento. O objetivo é divulgar informações sobre a doença para que mais pessoas tenham informações a respeito e, com isso, busquem atendimento e tratamento para melhorar a qualidade de vida. imageshops

“O tratamento faz diferença para a vida do paciente. A doença não cura com o tratamento, mas melhora muito se for adequadamente diagnosticada e tratada”, explicou o médico neurologista que faz parte da organização do evento, Henrique Ballalai Ferraz.

O médico ainda completou dizendo que, “muitos indivíduos acreditam que o seu familiar tem um problema que é próprio da idade e não encaminham para o diagnóstico. Com a campanha, a informação permite que mobilize as pessoas para buscar o tratamento”.

O mal de Parkinson atinge cerca de 300 mil brasileiros e não tem cura. A doença afeta o corpo inteiro ou às vezes só algumas partes, sofrendo sintomas iniciais leves, como movimentos mais lentos, tremores nas mãos, rigidez muscular, distúrbio da fala, dores, entre outros.

 

 
 
 

03 de abril de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Dia Mundial da Saúde é lembrado em São Bernardo

Programação especial para prevenir doenças e peças teatrais trarão informações sobre dengue e tuberculose

 

Para marcar  o Dia Mundial da Saúde, comemorado no próximo dia 7,  a prefeitura de São Bernardo do Campo abriu  programação em Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Aberta a todos, as ações ocorrem durante os períodos da manhã e tarde e envolvem atividades de aferição de pressão arterial e de diabetes, peças de teatro sobre dengue e tuberculose, apresentação de palhaços, exibição de vídeos educativos abordando a saúde em geral, palestras com temas relacionados à prevenção  e  exercícios de relaxamento e alongamento com a equipe do programa De Bem a Vida.

Além das ações já descritas a programação especial também contará com exercícios de práticas corporais que ajudam no envelhecimento saudável, sucoterapia para obter proveito de bebidas funcionais que tratam alergias, dor de cabeça e  perda de peso.

A Diretora do Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado, Isabel Cristina Pagliarini Fuentes , conta que esta comemoração do Dia Nacional é um momento para sensibilizar a população de uma maneira geral e não só quem faz acompanhamento na unidade básica de saúde.

“As ações não são focadas só nas doenças, mas sim atitudes que sejam voltadas para uma vida saudável e na prevenção”, frisou Isabel. A diretora ainda comenta que as pessoas vêm aderindo muito a esta campanha.

A programação na UBS  Rudge Ramos e UBS Nazareth continua até dia 4. Para o dia 5 está programada uma caminhada que sairá na unidade básica do Baeta Neves a partir das 10h30.

Na semana de  8 à 12 de abril  as UBS Mussolini, Vila Dayse, Baeta Neves e Farina também  contarão com eventos da programação, além da realização de testes  de HIV e sífilis.

 
 
 

02 de abril de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Na semana da conscientização do autismo, dados mostram que 90% das pessoas estão sem diagnóstico

A síndrome afeta 2 milhões de brasileiros, atingindo comprometimentos no relacionamento e interação

 

No dia 2 de abril é comemorado o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. O transtorno de desenvolvimento alcança cerca de 2 milhões de brasileiros, sendo que 90% dessas pessoas não recebem o diagnóstico e quando o obtém é tardiamente.

A dificuldade em interações sociais, na linguagem para se comunicar e padrão de comportamento restrito e repetitivo são alguns dos sinais que podem se observar numa criança autista. As mudanças, por menores que sejam, também o afetam.

“Esse diagnóstico é um dos mais difíceis de serem feitos, principalmente na psiquiatria infantil. Durante a vida é comum ver essas crianças tendo uma análise equivocada, inclusive recebendo remédios que não necessitariam”, contou o psicólogo Renato Caio da Silva Santos.

A falta de médicos, psiquiatras infantis e professores capacitados a análise e cuidado é um dos grandes problemas, frisado pelo psicólogo. O tratamento do autismo vai de cada caso, por isso é necessário o apoio de uma equipe multidisciplinar. Além disso, os graus de comprometimento são variáveis, como a Síndrome de Asperger, uma linha mais leve do autismo que muitas vezes demora mais a ser notado pelos pais.

“É birra dele”, essa era uma frase que Denise Garcia ouvia muito de médicos e familiares. Seu filho Fábio, de 9 anos, foi diagnosticado aos 2 com autismo. Porém, a luta foi mais longa.

“A principio, nós achávamos que ele teria algum problema auditivo, já que ele não respondia aos nossos chamados e não interagia. Até chegarmos ao resultado, levou cerca de 1 ano”, comentou a mãe de Fábio.

A angústia fez parte da família, devido a falta de informação, não estavam preparados. Tiveram que buscar a internet, literatura, filmes, entre outros meios para tentar se informar. “Fomos a uma maratona, busca, uma investigação, para ter uma maneira de ajudá-lo da melhor forma”, disse Denise.

Um dos enganos que a falta de conscientização traz a sociedade é que todos são agressivos. Mas o carinho, beijos e abraços são coisas presentes diariamente na vida da família de crianças autistas.

Orientação

Foi lançada, nesta terça-feira, uma cartilha que pretende ajudar profissionais de saúde do SUS a identificar sinais do transtorno em crianças e iniciar mais cedo o acompanhamento.

O documento traz uma tabela que indica sinais do desenvolvimento infantil destas crianças para que haja uma identificação do autismo até os 3 anos de idade. Além da tabela, também será disponibilizado para os profissionais instrumentos para o rastreamento/triagem de indicadores de desenvolvimento que possam diagnosticar.

 
 
 
 

26 de março de 2013
 

Editoria: Cidades
Disponível aqui

Rua no centro de São Bernardo passa a ter sentido único

Depois de pedidos dos moradores, rua Gonçalves Dias mudará a partir do dia 30

 

Devido à reclamação dos moradores locais e após dois abaixo-assinados, a Prefeitura de São Bernardo do Campo, por meio da Secretaria de Transportes e Vias Pública, fará mudança de direção na rua Gonçalves Dias, no Jardim Portugal, região central. A partir do dia 30 de março, o sentido será único.

Estreita e com muitos condomínios, a rua é problema para os residentes. Entrar e sair das garagens se torna um transtorno para eles, em razão dos carros estacionados e o congestionamento. “Por causa desse duplo sentido do local, eu já presenciei, inclusive, pequenos acidentes. Como, por exemplo, um rapaz saindo da garagem que bateu na moto que estava passando”, comentou a comerciante Delazir Aparecida da Silva.

O porteiro de um dos edifícios da Gonçalves Dias, Aldamir Gomes de Almeida, que trabalha no local há 6 anos, concorda com a opinião de Delazir. Segundo ele, para sair das garagens sempre foi muito complicado e “todos os moradores estão felizes com essa mudança, afinal esse pedido vinha sendo feito há cerca de 2 anos.”, contou.

Essa alteração também será feita devido a um estudo e análise do fluxo veicular da rua pelo Departamento de Engenharia de Tráfego, que apontou um aumento significativo de tráfego e demanda por estacionamento. Agora, a via será sentido rua Tiradentes-Brasílio Machado.

 

 


13 de março de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível
aqui

 

Planos de saúde devem justificar por escrito negativa de atendimento

A nova regra da ANS começa a valer em 7 de maio; quem descumpri-la pagará multa

Todas as operadoras de planos saúde que negarem a cobertura de algum procedimento médico agora deverão justificar essa ação por escrito. Quem descumprir a regra pagará multa de até R$ 100. Segundo a resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a nova norma começará a valer a partir do dia 7 de maio.

Os planos terão até 48 horas para informar aos pacientes o motivo da recusa. Em casos de urgência ou emergência, nenhum exame ou procedimento poderá ser negado.

Hoje, há cerca de 62 milhões de brasileiros com cobertura de planos médicos e odontológicos.  Durante o último ano, a ANS recebeu 75.916 reclamações de consumidores. Do total, 75,7%  são referentes à negativa de cobertura.

O corretor de seguros de Santo André, Laerte Calado Muniz, diz que normalmente as pessoas não se preocupam em saber quais procedimentos são cobertos pelo convênio que estão contratando e são surpreendidos quando necessitam de algum tratamento. “Porém, se o contrato garante determinada cobertura, o plano não pode negá-la”, explicou.

Muitas vezes, uma negativa de procedimento acaba parando na Justiça. Foi o que aconteceu com a estudante de psicologia Renata Recupero, que necessitou de uma cirurgia de emergência. “O convênio afirmou que a carência para procedimentos cirúrgicos era de um ano e eu havia feito o contrato há 6 meses”, contou.

A justificativa foi feita apenas pelo telefone, com o próprio hospital, e a estudante teve que pagar pela operação. No dia seguinte à cirurgia, a família de Renata entrou com uma liminar na Justiça. “Quando tive alta me apresentaram a conta do hospital, mas eu usei a liminar para poder sair”.

Em nota, a ANS diz que a resposta por escrito poderá ser enviada por correspondência ou por meio eletrônico, conforme escolha do beneficiário. Para obter a negativa por escrito o titular do plano deverá fazer a solicitação diretamente à operadora de saúde.

 
 

28 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível
aqui

 

Curso de atendimento humanizado para recém-nascidos é oferecido em Santo André

O Hospital da Mulher de Santo André realiza com funcionários cursos que ensina métodos para conforto de mães e bebês prematuros

A prematuridade em recém-nascidos ainda é um problema que requer atenção dos profissionais da saúde. Para sensibilizar estes especialistas sobre questões relacionadas a este tema delicado, o Serviço de Neonatologia Hospital da Mulher de Santo André realiza nos próximos dias 1º, 8, 15 e 22 um curso de sensibilização e orientação.

O objetivo é diminuir ou acabar com efeitos adversos consequentes da internação de bebês e mães, capacitando os participantes com aulas de enfermagem, fonoaudiologia, fisioterapia e pediatria.

Uma das causas da antecipação do parto é associada às condições de saúde da mãe. Os quadros mais complicados estão associados à mulheres que  fazem uso de determinados medicamentos, ou  que tenham ocorrências de problemas  uterinos, diabetes, hipertensão, periodontite ou infecção urinária.

O curso já oferecido anteriormente traz ações focadas nos cuidados ao parto e ao recém-nascido. “É importante estar sempre ‘reciclando’ os funcionários, desde a recepção, para atender os pacientes de uma maneira diferenciada”,  explicou Lucimara Liberali, coordenadora de enfermagem da UTI neonatal.

Após o nascimento, a criança prematura é logo levada à UTI, sofrendo uma separação da mãe e encontrando um ambiente diferente do útero. “Por isso, nosso foco é na humanização. Trazer métodos que confortem as mães e os bebês”, completou a coordenadora.

 
 

27 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Doenças ocupacionais são tema de ação educativa em Santo André

Dia Municipal de Conscientização da LER/DORT foi lembrado na cidade

 

Na última quinta-feira (28) foi comemorado o Dia Internacional de Prevenção às LER/DORT (Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). Essas lesões, que lideram as estatísticas de afastamento do trabalho pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), foram lembradas em uma ação educativa da Secretaria Municipal de Saúde de Santo André. O intuito foi informar a população e ajudar a prevenir um problema futuro.

As ações de conscientização contaram com a participação de representantes sindicais dos trabalhadores das áreas química, bancária, metalúrgica e borracha. Para estas atividades um palco foi montado perto da Estação Prefeito Celso Daniel.

A LER/DORT causa dor intensa e inflamação nos locais atingidos, afetando principalmente os membros superiores. Ela ocorre devido a movimentos repetitivos, grande esforços, entre outros, prejudicando músculos, nervos e tendões.

Com isso, também é comum que a pessoa comece a apresentar sentimentos de impotência e inadequação, o que compromete a saúde mental dos portadores, “daí vem a instalação de transtornos psíquicos, entre os quais o mais frequente é a depressão.”, explicou a psiquiatra Priscila Mitie Kimura.

Priscila frisa que um acompanhamento multidisciplinar e multiprofissional, com o ortopedista, fisioterapeuta, psiquiatra e psicólogo, é fundamental nestes casos.

Foram registrados 378 casos de LER/DORT e 328 de acidentes do trabalho no período de janeiro a outubro de 2012. Os dados são do centro de referência da Prefeitura. A média de atendimento na cidade é de 10 pacientes por dia que passam por uma triagem inicial para diagnóstico.

“Trabalhadores que passam muito tempo no computador, carregam peso, tem um trabalho de grande esforço, são as pessoas que a gente mais vê sofrendo com essas patologias e se afastando do trabalho.”, contou a fisioterapeuta Camila Petrillo Tabarrani, que trabalha em uma clínica de Santo André.

Um dos sinais mais comuns para se observar o inicio da doença é a má postura, o estresse e o excesso de trabalho. Além disso, a tendinite, tenossinovite, bursite e síndrome do Túnel do Carpo (caracterizada por dor, alteração da sensibilidade ou formigamentos no pulso), que são os problemas mais inflamatórios, são as principais causas que afastam os trabalhadores.

Os exercícios laborais oferecidos pelas empresas são também uma forma de prevenir. “Hoje em dia se fala muito na parte de prevenção. Por isso se vê a ginástica laboral nas empresas, porque com o afastamento do funcionário a própria empresa é prejudicada”, completou Camila.

Segundo o Ministério da Previdência em 2011, as manifestações de LER/DORT ocupavam o segundo lugar na concessão de benefícios previdenciários. As informações do período 2012 à 2013 ainda não foram concluídas.

 
 

15 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Saúde
Disponível aqui

Mudança de horário de verão pode prejudicar o sono das pessoas

Sintomas como stress, dor de cabeça e maior sonolência são observados após a troca do horário

Neste sábado (16) muda o horário de verão. Portanto, todos os relógios dos Estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Tocantins e do Distrito Federal, devem ser atrasados em uma hora. Mas essa mudança pode afetar o sono de muitas pessoas.

Com a modificação do horário, o relógio biológico que sincroniza os hormônios no nosso organismo fica desregulado, causando sintomas como maior sonolência, dor de cabeça, irritabilidade e stress.

“Nosso ritmo é afetado pela claridade, pelo sol, então nessa época é normal que isso aconteça”, explica o médico Marcelo de Souza Leão de Andrade, especialista na medicina do sono.

Ainda de acordo com o especialista, também não são todos que sentem esses efeitos. Na maioria das pessoas, os sintomas são leves. “Os idosos e crianças são mais afetados. Eles têm uma dificuldade maior no equilíbrio de adaptação, por ter uma maior regularidade em seus horários, ao contrário dos jovens que tem o organismo mais rápido.”

Para tentar evitar que isso aconteça, é necessário manter bons hábitos e horários regulares. O médico aconselha que para não sentir essas diferenças é melhor tentar deitar mais tarde no dia da mudança. Por exemplo: Se a pessoa é acostumada a deitar 00h00, ir deitar à 00h30. Já na noite seguinte, voltar ao seu horário normal. É necessário que a mudança seja gradual.

 
 
 

14 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Cidades
Foto: Priscila Castilho/RRO
Disponível aqui

Chuvas e ventos fortes estragaram o feriado da população de Santo André

Bairros do município foram prejudicados devido a queda de energia

Vários bairros do Grande ABC foram prejudicados devido as fortes chuvas que fortes chuvas  que atingiram a região durante o feriado.  A Prefeitura de Santo André entrou em contato com a Eletropaulo solicitando agilidade no atendimento às áreas atingidas pela forte chuva de granizo no último domingo (10). Em alguns casos, a espera pela manutenção chegou a 40 horas.

Os ventos de mais de 50 km por hora provocaram a queda de árvores em diversos pontos da cidade. Ainda há diversas vias sem iluminação. Em nota, a administração do município informou que ainda trabalha para a solução. imagechuva

No parque Eramos, em Santo André, a luz acabou no final da tarde do domingo, mas a Eletropaulo foi solucionar o problema somente na segunda, porém, logo que saíram do local, a energia voltou a cair devido a dois fios que encostaram um no outro por causa dos fortes ventos.  Na terça-feira a energia finalmente foi reestabelecida.

A moradora do Parque Eramos, Maria da Conceição de Almeida, conta  que quase perdeu toda a compra de comida que havia feito no domingo, “Eu tive que levar tudo pra casa de parentes, senão perderia tudo. E o banho foi ‘daquele jeito’, a gente teve que ficar esquentando água”. Além disso, Conceição falou sobre a reclamação dos vizinhos, “Meu vizinho que trabalha com a venda de sorvetes perdeu mais de 2.000 unidades devido essa queda de energia”.

Foram 260 ocorrências registradas entre queda de galhos e de árvores, segundo dados do Departamento de Parques e Áreas Verdes. Diante desta grande demanda, equipes de várias secretarias da prefeitura organizaram força-tarefa para serviços de manutenção e limpeza.

As equipes que trabalharam na manutenção da iluminação pública agora promovem uma varredura para garantir que nenhum setor permaneça apagado nas áreas afetadas. Além disso, funcionários do Departamento de Parques e Áreas Verdes retiraram árvores e troncos para que a Eletropaulo pudesse religar a energia.

 
 
 

08 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Cidades
Foto: Fernanda Ferreira/RRJ
Disponível aqui

Longas frentes frias no verão incomodam população

Cargas de ar polar passaram mais intensamente pelo centro sul neste ano

O verão começou no dia 21 de dezembro de 2012 e vai até 20 de março deste ano, porém os dias de baixa temperatura tornaram a estação mais fria do que o esperado. Em janeiro e fevereiro ­– dois dos meses que costumam ser os mais quentes do ano ­–, a população das regiões sul e sudeste do país teve que tirar do armário casacos e jaquetas.

No último mês de janeiro em São Paulo, por exemplo, os termômetros ficaram abaixo de 27ºC durante 19 dias consecutivos, segundo dados de meteorologia do Climatempo. No mesmo mês, só houve oito dias seguidos de temperaturas perto dos 30ºC. A média da temperatura à tarde ficou quase 1º C abaixo do considerado normal para a época, que é de 27,6ºC. imagejovensdeblusa

As frentes frias também passaram mais demoradamente, causando maior estranheza na população. Nas sete cidades do ABC este cenário ficou ainda mais evidente, afinal “a região sente mais frio do que São Paulo, a umidade é maior, então a sensação térmica é mais baixa”, explicou a meteorologista Josélia Pegorim. Isso se deve a frentes frias mais fortes do que o usual que passaram pelo litoral de São Paulo e injetaram cargas de ar polar sobre a capital paulista e a região metropolitana.

Estes fenômenos são comuns ao longo do ano.  A diferença deste verão é que esse sistema de ar polar passou mais intensamente pelas cidades. Com a força das massas polares, que são as mais frias, elas conseguiram ficar mais intensas e chegar ao centro sul do Brasil. “Isso aconteceu em função de mudanças de temperatura no Oceano Pacifico e também no Oceano Atlântico. Foi uma combinação que acabou induzindo essas frentes mais fortes que o habitual”, esclareceu Josélia.

A meteorologista ainda frisa que frentes frias são comuns de ocorrer durante o ano todo, inclusive no verão, mas elas costumam trazer pouco ar polar, então a temperatura logo se eleva, ao contrário do que aconteceu neste ano.

Essa queda de temperatura fora de hora também afeta o meio ambiente. “Essas mudanças pequenas e locais afetam principalmente as plantas e os períodos de floração, de frutificação, atrasando-os ou adiantando-os. Dessa forma, prejudicando os animais que têm dependência dessas plantas”, explicou Waverli Neuberger, coordenadora do curso de Gestão Ambiental da Universidade Metodista.

A previsão, no entanto, é que ao longo da segunda quinzena de fevereiro e no mês de março as temperaturas fiquem mais altas, deixando para trás os dias mais frios.

 

 
 

08 de fevereiro de 2013
 

Editoria: Cultura
Foto: Divulgação
Em parceria com: Raphael Andrade
Disponível aqui

Mostra em Santo André reúne objetos carnavalescos desde 1920

Visitante poderá conhecer fotografias, quadros, fantasias e outras peças da folia na cidade

A mostra ”Carnaval da Nossa Gente” foi aberta esta semana em Santo André, no Paço Municipal, e vai até o dia 13 de abril com entrada grátis. A exposição reúne fotografias, desenhos, fantasias entre outros objetos que contam a história da folia na cidade.

Os bailes e eventos de rua que marcaram época no município, desde os anos de 1920 até os dias atuais, são retratados nesta exposição. As canções típicas e marchinhas de Carnaval se misturam a fotografias históricas, além de quadros informativos relembrando as festas de todos os fãs de Carnaval. Vidros de lança-perfume e figurinos antigos também podem ser vistos na mostra.

“O objetivo maior desta mostra é realmente o resgate, trazer o conhecimento de como era o Carnaval e de como é hoje e relembrar”, explicou a curadora da exposição, Flávia Dotto. image

São mais de 100 fotos. Parte delas doadas pelo museu Dr. Octaviano Armando Gaiarsa, que tem em seu acervo imagens que os próprios munícipes ofereceram, e outra parte das imagens expostas veio do arquivo do jornal Diário do Grande ABC, que ajudou na organização da exposição.

“Procuramos mostrar imagens do nosso arquivo que dessem a dimensão desta festa popular na cidade de Santo André, desde festas de rua, salão, e por fim avenida, imagens com expressão, cor e, claro, tentando ser o mais democrático possível com todas as agremiações”, disse Ari Paletta, fotógrafo do jornal Diário do Grande ABC, que colaborou com a curadoria da exposição.

De acordo com Paletta, o processo de escolha das imagens foi árduo.  Utilizando o banco de dados do jornal, foram selecionadas cerca de 300 imagens, tendo este número deduzido para apenas 100 fotos. Destas imagens, 53 entraram na exposição. Já a escolha das fotos pertencentes ao acervo do museu foi mais fácil, pois o material era menor e mais antigo.

A exposição também contou com a colaboração da artista D.Ninja, nome artístico de Denise de Sousa Almeida, que criou um painel temático sobre a história do Carnaval em Santo André.

D.Ninja tentou resgatar os vários ícones dos carnavais antigos da cidade. “Eu tinha algumas fotos dos desfiles dos grupos antigos de Santo André. Isso foi referência para ilustrar, por exemplo, os movimentos da passista. Mas aí a gente tira da criatividade e da memória outros ícones do carnaval”, contou a artista.

Carnaval da Nossa Gente
Local: Salão de Exposições do Paço Municipal – Praça 4º Centenário – Santo André
Dias: de terça a sábado
Horário: das 12h às 17h e das 18h às 21h
Preço: gratuito
Mais informações: 4433-0605

 
 
 

1º de fevereiro de 2013
 

Editoria: Saúde
Foto: Carolina Gutierrez
Disponível aqui

Casos de dengue despencam 72,7% em 2012 na região da grande São Paulo

Em 2012 o número caiu para 2.234, enquanto o ano anterior fechou com 8.191 pessoas contaminadas

Dados da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo apontam que o número de casos confirmados de dengue caiu 72,7% na grande São Paulo em 2012, incluindo o Grande ABC, se comparado com o ano anterior.

Dos casos contraídos dentro do Estado de São Paulo foram somados 2.234 em 2012, contra 8.191 em 2011. Os índices fazem parte do boletim do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE), da Secretaria. Trinta e nove cidades estão agregadas nesse total.

Nesse balanço também foi contabilizado o total de  mortes em todo o estado de São Paulo, que atingiu 14 pessoas no ano passado contra 55 em 2011 e 147 em 2010.

“Eliminar totalmente a dengue é algo impossível, por isso a missão da prefeitura é a eliminação de criadouros, onde o mosquito se reproduz. A queda desse número mostra que o trabalho das prefeituras está sendo bem feito”, comenta Paulo Francisco Toledo dos Santos, veterinário do Centro de Controle de Zoonoses do Departamento de Proteção à Saúde e Vigilância, da Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo.

Outro fator que o especialista avalia ser importante para essa queda é o ambiental, em virtude da diminuição de chuvas na região.

A Secretaria de Estado da Saúde investe cerca de R$ 40 milhões por ano para auxiliar os municípios no combate à dengue.

 
 
 

1º de fevereiro de 2013
 

Editoria: Cultura
Disponível aqui

Peça “Chorinho” chega a São Bernardo neste final de semana

O encontro das atrizes Denise Fraga e Cláudia Melo leva a plateia a rir e se sensibilizar com a história

O premiado espetáculo “Chorinho” será encenado neste final de semana em São Bernardo. A comédia dramática mostra o choque entre duas classes sociais, quando uma mendiga se encontra com uma senhora rica.

O cruzamento do destino dessas mulheres traz ao palco momentos de humor e emoção. De um lado uma moradora de rua por opção, fugindo das regras sociais, do outro uma senhora solitária que cuida das plantas e tenta preencher o vazio dos dias com aulas de inglês e programas de televisão. Estabelecendo laços entre elas, a peça se desenvolve em sete quadros reflexivos, em que as personagens conversam sobre temas como preconceito, solidariedade e solidão.

Estrelado pelas atrizes Denise Fraga e Cláudia Melo, o espetáculo foi montado pela primeira vez em 2007 e rendeu ao diretor e dramaturgo Fauzi Arap o prêmio de melhor autor pela Associação Paulista de Críticos da Arte.

Serviço

Data: sexta e sábado, às 21h00, e domingo às 19h
Local: Teatro Lauro Gomes – Rua Helena Jacquey, 171 – Rudge Ramos
Ingressos: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia)
Classificação: a partir de 10 anos
Mais informações: (011) 4368-3483

 

 

 

27 de novembro de 2012
 

Editoria: Política
Em parceria com: Nicolas Iory
Disponível aqui

Presidente da Câmara de São Bernardo é julgado e aguarda decisão

Hiroyuki Minami (PSDB) pode ter mandato cassado por distribuição irregular de brindes em campanha eleitoral

 

O julgamento do presidente da Câmara Municipal de São Bernardo, Hiroyuki Minami (PSDB), foi realizado ao final da tarde desta segunda-feira (26). A decisão sobre o futuro do vereador deve ser divulgada até o fim da primeira quinzena de dezembro e o processo pode resultar na cassação do mandato de Minami, que foi reeleito até 2017.

O vereador é acusado de transgredir as determinações da Lei Eleitoral no dia 1° de setembro, durante a campanha eleitoral, ao participar de um bingo promovido pelo Grupo Sempre Mulher, fundado por ele há 12 anos.

Na ocasião, Minami publicou imagens do evento em sua página na internet onde aparece entregando prêmios para as vencedoras do bingo. O vereador foi denunciado ao Ministério Público por distribuição de brindes e bens materiais aos eleitores, o que é vedado pela Lei Eleitoral. Se for considerado culpado, ele pode ser punido com a cassação do mandato e detenção por um período seis meses a um ano.

Na segunda-feira, a juíza Ana Lúcia Siqueira, da 174ª Zona Eleitoral de São Bernardo, recebeu testemunhas de defesa e o advogado do vereador. A defesa argumenta que as ações não foram em caráter eleitoral e que Minami sempre participa destas atividades no grupo.

O advogado de Minami, Arthur Rollo, argumenta que ele compareceu no bingo como convidado. “Não existe nenhuma vedação na legislação que impeça isso”, diz. A reportagem não obteve retorno da juíza Ana Siqueira Lúcia.

 


27 de novembro de 2012

Editoria: Economia
Foto: Arquivo/RRJ
Em parceria com: Nicolas Iory
Disponível aqui

Vendas do setor imobiliário têm redução de 4,2% no ABC

Período de janeiro a setembro comercializou 5.335 novos imóveis, 227 a menos que em 2011

As vendas do mercado imobiliário tiveram queda de 4,2% nos nove primeiros meses de 2012 em comparação com o mesmo período de 2011. Foram 5.335 unidades comercializadas até o mês de setembro deste ano, frente a 5.562 vendas no mesmo período do ano anterior.

De acordo com dados da ACIGABC (Associação dos Construtores, Imobiliárias e Administradoras do Grande ABC), São Bernardo é a cidade do ABC que mais vendeu imóveis no terceiro trimestre deste ano, com 832 vendas, seguida por Santo André, com 484 imóveis comercializados. image

Embora seja a segunda em vendas, Santo André é a cidade que mais lançou novos apartamentos na região entre os meses de julho e setembro, com 929 novas unidades. São Bernardo é o segundo município em número de lançamentos, com 260 novos apartamentos no terceiro trimestre de 2012.

O presidente da Associação, Milton Bigguci, acredita que essas vendas não tiveram grande diferença se comparadas com 2012 e 2011.  “Essa redução aconteceu porque as empresas recuaram os lançamentos em função de seus estoques que diminuíram e Santo André foi a cidade que mais reduziu”, diz Bigucci. Em relação ao terceiro trimestre de 2011 e 2012, a redução de lançamentos na região foi de 27,6%.

Durante o terceiro trimestre de 2011, Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema e Mauá lançaram 50,6% menos apartamentos do que neste ano, com 1.249 novas unidades, frente a 2.528 do ano anterior.

 


26 de novembro de 2012

Editoria: Cultura
Foto: Divulgação
Disponível aqui

3ª Virada Inclusiva de Mauá acontece esta semana

Inspirado na Virada Cultural e Virada Esportiva, o evento visa a inclusão social de todas as pessoas

Há 20 anos é comemorado o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, celebrado em 3 de dezembro. Para marcar a data, a prefeitura de Mauá realiza a 3ª edição da “Virada Inclusiva”. O evento ocorrerá nos dias 27/11, 28/11 e 01/12.

imageRealizado pela Secretaria do Estado das Pessoas com Deficiência, o evento foi inspirado na Virada Cultural e na Virada Esportiva que ocorrem na cidade de São Paulo.  Segundo a prefeitura da cidade, por meio da assessoria de imprensa, o objetivo é garantir o pleno exercício da cidadania e a inclusão social de todas as pessoas, com e    sem deficiência. “Acho que todo mundo, independente de condição física, merece um lazer desse tipo. Dou muito valor e apoio uma iniciativa como essa”, comentou o universitário e cadeirante Paulo Pires, morador de Santo André que pretende participar da virada em Mauá.

Este ano, a virada é organizada pelos representantes do GT Viver sem Limites, programa criado pela presidente Dilma Rousseff, que visa a prática de políticas públicas para as pessoas com deficiência.

Serão realizadas 24 horas de atividades, como atletismo adaptado, karatê, dança, capoeira e trilha ecológica. Outras cidades da região, como Santo André, São Bernardo e São Caetano, também participam do circuito inclusivo em diferentes datas.

A programação completa da 3ª Virada Inclusiva pode ser consultada no site oficial do evento.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s